EasyJet aconselha passageiros a irem com "tempo extra" para aeroportos

A companhia aérea easyJet, uma low cost tem aconselhado os passageiros com viagens de e para Portugal a irem mais cedo para os aeroportos


A companhia aérea easyJet, uma low cost tem aconselhado os passageiros com viagens de e para Portugal “a verificarem o estado do seu voo, bem como a deslocarem-se para os aeroportos nacionais com "tempo extra", devido à greve dos motoristas.”, lê-se na Publituris.

EasyJet aconselha passageiros a irem com "tempo extra" para aeroportos.

 Contactada pela Lusa, a transportadora informou que, "devido a uma greve a ter lugar em Portugal e que está a afectar a disponibilidade de combustível nos aeroportos portugueses, alguns voos para e de Portugal podem necessitar de paragens técnicas adicionais para reabastecer em aeroportos alternativos".

"Aconselhamos todos os clientes com viagens planeadas de e para Portugal, nos próximos dias, a consultar o estado dos seus voos", referiu a easyJet, pedindo ainda a quem tiver que passar por um aeroporto português para se deslocar com "tempo extra, porque o tráfego poderá ser maior do que habitualmente".

A transportadora ressalva que, "ainda que isto esteja fora" do seu controlo, está a "fazer tudo o que seja possível para minimizar as perturbações".


Entretanto a Lusa contactou a TAP e a Ryanair sobre esta questão, mas ainda não recebeu resposta.
O ritmo de abastecimento no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, é "insuficiente, em níveis bastante abaixo do estipulado para serviços mínimos", causando "restrições à operação", disse ontem à Lusa a ANA Aeroportos.

Em resposta escrita à Lusa, a gestora aeroportuária adiantou que está a avaliar continuamente o impacto da greve dos motoristas no abastecimento de combustível nos aeroportos da sua rede.

O ritmo de abastecimento "insuficiente" verificado levou à implementação de restrições à operação, "nomeadamente na redução de abastecimento de aeronaves", referiu esta tarde à Lusa a empresa.

A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM), tendo-se também associado à paralisação o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).


O Governo decretou serviços mínimos entre 50% e 100% e declarou crise energética, que implica "medidas excepcionais" para minimizar os efeitos da paralisação e garantir o abastecimento de serviços essenciais como forças de segurança e emergência médica.


Ontem, ao final do dia, o Governo decretou a requisição civil dos motoristas em greve, alegando o ncumprimento dos serviços mínimos, anunciou o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, após reunião do executivo por via electrónica.

(Fonte Publituris)

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade