Bruxelas anuncia medidas de apoio às Companhias Aéreas

Num apoio ao sector da aviação, que está a ser bem  afectado pelo surto do coronavírus, a Comissão Europeia anunciou “alterações temporárias das regras comunitárias na aviação pelo "tremendo impacto" do surto de Covid-19 no sector, autorizando “que as transportadoras mantenham as suas faixas horárias, mesmo que não operem voos”.

"A Comissão vai implementar, muito rapidamente, legislação relativamente aos designados 'slots' de aeroporto" -- as faixas horárias atribuídas às companhias aéreas para aterrar ou descolar --, divulgou a presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen., lê-se em notícia da Lusa.


Falando aos jornalistas em Bruxelas no final da reunião do colégio de comissários, na qual foram abordadas as consequências económicas do novo coronavírus, a responsável observou que "o surto de coronavírus está a ter um tremendo impacto na indústria aeronáutica europeia e internacional".


"Vemos que a situação se está a deteriorar dia após dia e espera-se ainda uma maior queda no tráfego aéreo", referiu Ursula von der Leyen, anunciando que, por isso, o executivo comunitário quer "tornar mais fácil que as companhias aéreas mantenham as suas faixas horárias, mesmo que não operem alguns voos nesses 'slots' por causa da redução do tráfego".

A líder da Comissão Europeia diz que esta é "uma medida temporária que vai ajudar não só a indústria mas também o meio ambiente".

"Vai reduzir a pressão no sector da aviação e, em particular, para as companhias aéreas de menor dimensão, mas também vai reduzir as emissões [de dióxido de carbono] devido aos chamados voos fantasma, quando as transportadoras mantêm a sua operação apenas para salvaguardar os seus 'slots'", argumentou.

De salientar que de acordo com as normas europeias as companhias são obrigadas a cumprir com 80% que detêm nos aeroportos, pois se não o fizerem estão sujeitas a perdê-los . Daí recorrerem aos “voos fantasmas”, que realizam mesmo sem passageiros.  

A acontecer tal situação as companhias aéreas seriam duplamente penalizadas pois para além de não terem passageiros iriam gastara combustível e amterial com a realização de “voos fantasmas”.

Assinalando que são "muitos os sectores [económicos] afetados" pelo surto de Covid-19, Ursula von der Leyen garantiu que Bruxelas vai intervir não só relativamente à aviação, mas também noutras indústrias.

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade