Convidada especial do Eros Porto defende pornografia educativa

Silvia Rubi, actriz pornográfica e convidada especial do Eros Porto luta por melhor educação sexual



 Silvia Rubi, a Convidada Especial do Eros Porto 2020 tem como objectivo de luta melhorar a educação sexual, mudar o cinema adulto e avançar nos direitos dos trabalhadores do sexo.

Silvia Rubi é uma das actrizes pornográficas de Espanha, mais conhecida até a nível internacional e “luta por várias causas, como melhor educação sexual, mudanças no cinema adulto e mais direitos para os trabalhadores do sexo”.

A artista, que vai estar no Porto como Convidada Especial do Salão Erótico, que se realiza de 05 a 08 de Março, na Exponor, “vê na pornografia educativa uma forma de combater a iliteracia sexual”. 

É necessário que exista um porno educativo, ao alcance de todas as pessoas que queiram saber mais, e sempre acompanhado de uma educação sexoafectiva de qualidade, tanto nas escolas, como através dos sistemas de saúde”, explica a actriz que há uma década trabalha no cinema adulto em diferentes mercados internacionais e que é conhecida pelas suas posições críticas em diversas questões relacionadas com a área. Contudo, Silvia Rubi não defende que todo o cinema adulto seja educativo, já que, como refere, este “representa fantasias sexuais” e alterá-lo significaria “a perda de muita da sua magia” e “um corte na criatividade”.  


Para a Convidada Especial do Eros Porto 2020, apesar de existir um “claro problema de educação nos mais jovens” neste domínio, “a deficiência vem das gerações anteriores que ainda menos tiveram essa educação, não souberam como a encontrar ou simplesmente não a consideraram necessária”.
É aqui, segundo a artista, “que o porno educativo pode desempenhar um papel decisivo, já que faltam ferramentas para responder ao actual interesse e procura de conhecimento”. 

A atitude machista das cenas dos filmes e a redução de custos de produção e de qualidade são algumas das questões que segundo  Silvia Rubi deveriam ser alteradas, uma vez que  defende “um cinema adulto mais ético e feminista”.

Por outro lado e em termos de conteúdos, afirma: “penso que já estamos muito saturados de ver o mesmo padrão de atitude machista. Há uma maioria clara de cenas em que o personagem masculino é triunfador, agressivo e verbalmente humilhador da mulher”.


Silvia é ainda muita crítica da reinvenção do mercado feita pelas grandes empresas para disponibilizar conteúdos gratuitos, através das plataformas online – os chamados “tubes” -, o que acabou por levar à redução de custos de produção e de qualidade, ao repetir-se vezes sem conta o mesmo tipo de cena. “Tal situação prejudicou as pequenas empresas que, ao terem de criar uma enorme quantidade de material para se destacarem dos grandes concorrentes, resultam em produções bastante precárias, com salários irrisórios, fuga ao fisco e até falta de proteção de saúde”, lamenta a actriz.

Silvia começou por trabalhar em publicidade e em videoclips e chegou ao cinema adulto porque queria experimentar.
Ao longo da carreira, Silvia confessa que viveu algumas situações complicadas, quase todas ligadas ao estigma gerado por ser mulher e actriz de filmes para adultos. “Em termos sociais é complicado porque, muitas vezes, não nos levam a sério e sexualizam-nos constantemente. Também o facto do trabalho sexual não estar regulamentado leva a situações de abusos de poder por parte das empresas”, conclui.

Actrizes, actores, strippers e performers de várias artes eróticas e filosofias sexuais estão entre os muitos protagonistas da edição deste ano do Salão Erótico do Porto.
Vêm dos principais centros europeus que lideram estas áreas, como Espanha ou países do leste, da América Latina, com especial destaque este ano para o México, e, como não podia deixar de ser, também de Portugal.

Há artistas que representam novas promessas no mercado do entretenimento adulto, mas também outros já consagrados, conhecidos do grande público e galardoados com os principais prémios da área.

Entre estes há quem partilhe o palco com a irmã gémea, caso das venezuelanas Sheila e Kesha Ortega, trabalhe em casal, como os actores Jesús e Pamela Sanchez, ou até quem divida o tempo entre a representação no cinema gay e a medicina estética, como o actor Santi Noguera, com consultório próprio em Espanha. 

Lembramos que este ano, o Eros Porto traz um conceito renovado, com a introdução de novidades em conteúdos, espectáculos, disposição e até decoração dos espaços.
Há três grandes áreas - INOCENTE (Erótica), MAROTA (Slow Sex), PERVERSA (Hard Sex) - cada uma com uma programação própria, que inclui espectáculos, áreas temáticas, actividades e os melhores artistas nacionais e internacionais.

O Salão Erótico do Porto realiza-se durante quatro dias, de quinta-feira a domingo, de 05 a 08 de Março, entre as 15:00 e as 02:00, excepto no último dia que tem o encerramento marcado para as 22:00.

 As entradas custam €15 para bilhete individual e de €60 para free pass de quatro dias, e podem ser adquiridos , previamente, através da Ticketline, ou, nos dias do evento, nas bilheteiras na Exponor.

Até ao dia 14 de Fevereiro, na compra online, é ainda possível beneficiar da promoção do Dia dos Namorados, com desconto nos bilhetes.  

Dia dos Namorados

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade